sexta-feira, 20 de julho de 2012

O MENINO DAQUELA CASA


Havia, em algum lugar, um parque cheio de pinheiros e tílias, e uma velha casa que eu amava. Pouco importava que ela estivesse distante ou próxima, que não pudesse cercar de calor o meu corpo, nem me abrigar; reduzida apenas a um sonho, bastava que ela existisse para que a minha noite fosse cheia de sua presença. Eu não era mais um corpo de homem perdido no areal. Eu me orientava. Era o menino daquela casa, cheio da lembrança de seus perfumes, cheio da fragrância dos seus vestíbulos, cheio das vozes que a haviam animado."
(Antoine de Saint-Exupéry)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É, eu tive que cair na real. Por mais que eu quisesse viver todos aqueles sonhos malucos ao teu lado, eu tive que cair na real. Mesmo sem e...