segunda-feira, 17 de julho de 2017

"Nós iremos nos 
reconhecer no 
Céu.O amor que 
vivemos nunca 
vai morrer.
Amor não morre.
Amor se transforma.
Amar é acreditar que
o outro nunca morrerá,
JAMAIS."
Padre Léo

Amor é síntese


Por favor, não me analise
Não fique procurando
cada ponto fraco meu
Se ninguém resiste a uma análise
profunda, quanto mais eu !
Ciumenta, exigente, insegura, carente
toda cheia de marcas que a vida deixou :
Veja em cada exigência
um grito de carência,
um pedido de amor ! 

Amor, amor é síntese,
uma integração de dados:
não há que tirar nem pôr.
Não me corte em fatias,
(ninguém abraça um pedaço),
me envolva todo em seus braços
E eu serei perfeita, amor!
Myrtes Mathias
Os contos de fadas são assim.
Uma manhã, a a gente acorda
E diz: "era só um conto de fadas..."
E a gente sorri de si mesma.
Mas, no fundo, não estamos sorrindo.
Sabemos muito bem que os contos de fadas
São a única verdade da vida.
Antoine de Saint-Exupéry
“Saudade é uma das palavras mais presentes nas poesias de amor da língua portuguesa e também na música popular, "saudade", só conhecida em galego-português, descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor. A palavra vem do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar".”

Esse sentimento embora bastante triste tem uma beleza única, pois só o possui quem ama ou amou muito alguém... Quem amou de maneira especial uma fase da sua da vida... Quem deixou a sua terra para trás... Sempre que a saudade invade a minha alma, sinto as suas mãos segurando o meu coração que agitado se debate tentando não agonizar. Sinto as suas mãos impiedosas me revirando por dentro. Ainda assim prefiro senti-la, pois isso prova que vivi e vivo intensamente a minha jornada. Quem não derruba lágrimas, seja de alegria ou de tristeza, quem não se perturba com nada e está acima das próprias emoções, já está morto sem saber. A saudade é um grito de vida, já conheci pessoas que foram resgatadas de suas ilhas emocionais por ela... Pessoas que se entregaram à depressão, ao desamor e ao isolamento, mas que ao se reconectarem com vida que tiveram um dia, através das saudades, relembraram do quanto foram capazes de amar e de serem felizes! Isso as impulsionou a resgatarem o amor pela própria existência. Quantos filmes, livros e poemas são narrados pelas lembranças? O que seriam dessas obras se a história contada não fosse embalada pela saudade? A minha saudade terna, triste, feliz e doce sussurra aos meus ouvidos... E em segredo confessa: “Tudo está valendo a pena... Agora é hora de olhar para frente e seguir adiante... Pois logo ali, daqui a pouquinho... Você também estará com saudades desse momento...” E suavemente se despede até o nosso próximo encontro...
Lígia Guerra
Em um mundo tão maquiado quanto o nosso não existe espaço para grandes verdades. Deixe suas fragilidades para o escuro do seu quarto ou quem sabe para um ombro sincero e de fato amigo, que goste de você. Para os demais, finja que você é feliz. Não tem pão? Coma bolo! Nossa! Maria Antonieta nunca esteve tão em voga como na atualidade. Você acha espantoso estarmos na era da depressão? Pois é, estamos afundando abraçados nesse sintoma coletivo, nessa praga, nesse câncer social, e sabe por quê? Porque nesse mundo, meu querido, não dá para ser diferente, é preciso se enquadrar. Nasceu com a cor errada? Azar o teu! Não tem o carro das argolinhas, que peninha... É baixinho, usa óculos, nunca foi o tal? Pergunte o que fazer ao Herbert Vianna, ele sacou muitas dessas coisas faz tempo. Melhor, leia Sêneca, Spinoza, Plutarco, repense a sua vida. Sempre existem duas opções, portanto escolha. Vai fingir ser o que você não é ou vai optar por você? Uma coisa eu garanto: Você vai pagar um alto preço de uma forma ou de outra, seja para aparentar o que você não é ou para bancar aquilo que você de fato é! Porque eu prefiro a segunda opção? Porque os que optam pela primeira já morreram faz tempo, só não descobriram isso ainda. Talvez já seja tarde para muitos ou como diria o nosso querido Guimarães Rosa, alguns já foram abatidos pela indigência intelectual. Game over.

Lígia Guerra

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Toda esta viagem

Não digas nada!
Não, nem a verdade!
Há tanta suavidade
Em nada se dizer
E tudo se entender –
Tudo metade
De sentir e de ver…
Não digas nada!
Deixa esquecer.
Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda esta viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada…
Mas ali fui feliz…
Não digas nada.

Fernando Pessoa.

Raios de Sol

É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!
Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.
Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo.
🍃
Fernando Pessoa

''Tem horas que temos que nos calar...
para que nossas palavras, não firam como lanças afiadas...
Muitas vezes o silêncio é a melhor maneira de nos fazer
sentir e ser ouvidos...''
- Hilario Josepe
Muitas pessoas têm medo de se relacionar por já terem sido tratadas como descartáveis. Vai uma dica: respeite o seu tempo! Quem se interessar por você e não somente pelo seu corpo, saberá compreender a importância da cadência da sua alma. Podemos nos enganar com as pessoas, isso é fato. O que não devemos é nos violentar para agradar o outro, seja quem for. Quem só se aproxima da embalagem não terá disposição para conhecer o conteúdo, esse já é um filtro importante para selecionar quem ficará ao seu lado. Relacione-se intimamente quando essa for a sua vontade. Esse posicionamento nos ajuda em todas as escolhas da vida. Não acertaremos sempre, mas certamente teremos mais consciência sobre os nossos sentimentos e uma autoestima mais forte e equilibrada. Antes de concordar com o que sai da boca da outra pessoa, preste atenção nos conselhos da sua intuição! *Lígia Guerra*
Sempre que uma pessoa nos provoca emocionalmente, ela merece um segundo olhar... Seja por uma qualidade que possui e que desejamos desenvolver ou por um defeito que não identificamos em nós. Uma pessoa muito agitada, por exemplo, poderá se incomodar com a calma da outra, pois precisa desenvolver o seu próprio equilíbrio íntimo. Alguém muito inseguro poderá ficar acuado e ácido diante de uma pessoa autoconfiante. É autodefesa! Antes de observar as outras pessoas com críticas... É bem mais construtivo as observar como espelhos. O nosso autoconhecimento pode acontecer por muitas vias. Grandes transformações em nossas vidas surgem através de relações incomuns. Observe o mundo, as pessoas, a si mesmo. Ouse enxergar além do óbvio! *Lígia Guerra*
Quem nunca enfrentou um perrengue na vida?!?! Contar a grana para passar o mês, fazer um plano no qual nada dá certo e ter que recomeçar tudo de novo, um chefe chato, um corte de cabelo errado, um namoro equivocado. No momento do sufoco parece que o tempo não passa... Depois lembramos daquelas confusões como lições e até com ótimas gargalhadas!!! Quem não passa por apuros não aprende a flexibilizar, a ter jogo de cintura e se recriar. Torna-se chato, autocentrado e engessado. Perrengue dos bons nos apresenta amigos incríveis, deixa clara a nossa pequenez diante da vida e acima de tudo nos ensina a rir de nós mesmos. Afinal... Quem disse que só os outros "merecem" enfrentar dificuldades? Por vezes teremos que mudar de rota, reprogramar o trajeto, quem sabe até sair pela a janela... Mas qual sentido teriam as nossas vidas sem as nossas histórias? *Lígia Guerra*
Casa Arrumada – Carlos Drummond de Andrade
Arrume a casa todos os dias… Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo para viver nela…
Casa arrumada é assim: Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz.
Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não centro cirúrgico, um cenário de novela. Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas… Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo: Aqui tem vida…
Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar. Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha. Sofá sem mancha? Tapete sem fio puxado? Mesa sem marca de copo? Tá na cara que é casa sem festa. E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde. Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto…
Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda. A que está sempre pronta pros amigos, filhos… Netos, pros vizinhos… E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia.
Arrume a casa todos os dias… Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo para viver nela…
E reconhecer nela o seu lugar. Carlos Drummond de Andrade
Texto do livro "Erótica é a Alma" de Adélia Prado para todos nós, que amadurecemos lindamente sem rugas na alma!
Todos vamos envelhecer... Querendo ou não, iremos todos envelhecer. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos. O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior: tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E, quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte para suportar. *Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios. Erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores. Aprenda: bisturi algum Vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.*

"Nós iremos nos  reconhecer no  Céu.O amor que  vivemos nunca  vai morrer. Amor não morre. Amor se transforma. Amar é acreditar que o ...