sexta-feira, 1 de maio de 2015

“Algumas preciosidades morrem baixinho, em degradê. Como morrem as tardes. Como morrem as flores. Como morrem as ondas. Quando a gente percebe, já é noite e o céu, se está disposto a falar, diz estrelas. Quando a gente percebe, as pétalas já descansam o seu sorriso no colo do chão.”
(Ana Jácomo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário